quinta-feira, 8 de janeiro de 2015

Render em alta definição é mesmo importante?

Para aqueles que são leigos no universo 3D... Podemos modelar e exportar as imagens do projeto 3D direto do programa de modelagem como o SketchUp, Promob, Domus, etc; mas os recursos de luz, sombra e reflexos entre outros são limitados. É o que chamamos, no caso do SU, de SketchUp Cru ou Puro. Segue um exemplo de minha autoria:


Mas existem os programas renderizadores como o Vray e o Kerkythea que possuem muitos outros recursos onde dependendo da capacidade do usuário e do tempo (configuração) da cena, eis que a imagem pode ficar tão perfeita que até os mais experientes custam acreditar que não se trata de uma foto. Para exemplificar vou postar este trabalho invejável do Designer 3D e Designer de Interiores Tales Macedo:



Pois bem... Existe uma grande rivalidade entre os projetistas de móveis que utilizam o Promob, por exemplo, que é um programa dedicado ao ramo que possui como principal finalidade agilizar a venda gerando imagens, orçamento instantâneo e interação com os planos de corte e gerenciamento operacional. Mas o render deste programa deixa muito a desejar comparado ao SU + Vray, por exemplo, mesmo com a novidade do Render UP que melhorou muito a qualidade das imagens geradas.

 Mas a questão está exatamente aí:

Para vender móveis e somente móveis realmente precisamos de um render em alta definição?

Não corremos o risco de gastar mais tempo com o Render e deixar o processo criativo de lado passando soluções bonitinhas, porém questionáveis tecnicamente?

Tive uma rápida conversa com o Designer Tales Macedo sobre estas questões e acabamos concordando: O Render não é para se vender móveis, e sim Design. As maquetes virtuais (renders) são amplamente utilizados no marketing das construtoras e mobiliárias, por exemplo, para vender apartamentos novos. Também quem trabalha com design de interiores/ambientes acaba utilizando bem esta ferramenta, pois seus clientes estão à procura de um atendimento/serviço diferenciado.

Já a possível 'camuflação' de péssimas soluções com o render 'bunitim', eis que a resposta do Tales não podia ser mais óbvia: O Render é uma ferramenta espetacular, porém dependendo da ética (ou falta dela) de quem usa é possível sim que se torne algo supérfluo, um verdadeiro engodo.

Porém o Tales afirma que já trabalhou em uma marcenaria e que seus renders facilitaram muito na venda dos móveis.

No fim só podemos chegar à uma conclusão: Quem trabalha por conta (Freelancer) acaba abraçando o render naturalmente, pois todo e qualquer projetista sonha em projetar uma maravilha como essa:










Designer 3D e Designer de Interiores
Maiores Informações: http://www.talesmacedo.com.br/



Idealizador do Tema: +Anderson Martins 

Autor da Postagem: +Luiz Mariano